domingo, 8 de agosto de 2010

Sobre a viagem - parte III (Salzburg e Füssen)

Salzburg é uma cidade graciosa a 300km de Viena, famosa por ser o berço de Mozart e também muito visitada pelos fãs d'A Noviça Rebelde (tem até uma excursão de 4h em que se visitam as locações do filme). Lá conhecemos um taxista chamado Sena, muito simpático e que fala português, tem uma casa em Vila Velha-ES e adora Serenata de Amor. Passeamos a pé ali pelo centro, vimos o Rio Salzach e a Mozart Wohnhaus (onde ele morou) e visitamos os belíssimos jardins do Palácio Mirabell (construído pelo bispo Wolf Dietrich para sua amante judia, Salomé Alt)

Comemos no Die Weiss, um biergarten charmosinho com boa comida e boa cerveja. Recomendo o Wiener Schnitzel (filé de carne de porco empanado, acompanhado de batatas e geleia de cranberries); a carne de porco assada com chucrute e knödel (pão cozido); e a salsicha com chucrute e batatas ao kümmel - acompanhados de weissbier (a pilsner deles também é ótima, mas seu amargor não faz muito meu tipo). Por lá, eles têm o hábito de trazer água com gás sempre que você pede água - então, se quiser sem gás, é bom especificar.
Carne de porco assada, chucrute e knödel,
com weissbier

No dia seguinte, enfrentamos 6 horas de trem no trajeto Salzburg-München-Füssen pra visitar o castelo Neuschwanstein em esquema bate-e-volta. O castelo - que é lindo e, reza a lenda, inspirou o castelo da Cinderella de Walt Disney - fica sobre um monte pertinho da vila Hohenschwangau, que por sua vez fica a uns 10 minutos de Füssen. Comemos uns sanduíches ótimos e subimos rapidamente, sem deixar de apreciar a vista, pro nosso audio-tour no castelo em português de Portugal (compreensível, interessante, e mesmo assim muito engraçado).

A visita demorou mais do que previmos e nos fez correr como loucos pra não perder o trem de volta - e descobrir, faltando 15 minutos pro nosso trem partir de Füssen, que em Hohenschwangau não há taxis. Felizmente, a moça que trabalhava nas informações turísticas chamou um táxi pra nós em caráter de urgência (que, quando chegou, quase foi ocupado por uma desavisada) e, incrivelmente, conseguimos chegar na estação em tempo. E aí, mais seis horas de viagem de trem, apreciando as paisagens do interior alemão: casas bonitas com floreiras, jardins com coelhos (que ficam em caixas de tela, comendo a grama e engordando), painéis de energia solar, alemães ruidosos em idade escolar e aquele cheiro de esterco que me lembra a Galicia...

2 comentários:

Meg / Bombs disse...

Chucrute me lembra uma coisa doce, compacta e mt grudenta. Não sei pq...
agora diz pra mim, vc anotou todos esses nomes, né? Pq não é possível lembrar!

Anônimo disse...

Certeza que ela deu uma anotadinha num bloquinho de notas. Eu me perdi em todas aquelas letras juntas.

E mancada, eu olhei a foto de comida e tô com fominha e nem posso comer tanto assim! =X

Parece que você viu paisagens bonitas e idílicas e tal. Fiquei com invejinha, prontofalei =P

=**