domingo, 1 de agosto de 2010

Sobre a viagem - parte I

O voo saía às 18h. Mas tínhamos que fazer o check-in com antecedência, era dia de jogo do Brasil na Copa... Com medo do trânsito, resolvemos não arriscar, saímos cedo e acabamos nos adiantando demais. Resultado: 5 horas de espera no aeroporto.


Enquanto a maioria das pessoas ia se ajeitando no saguão pra ver o jogo do Brasil, eu me encostei numa cadeira e, já que não conseguia dormir, resolvi observar o movimento. E qual não foi minha surpresa ao ver, bem na minha frente, um homem com uma camiseta com letras enormes: PINTO. Deve ser estrangeiro, só pode. Mas, calma, ele tá torcendo pro Brasil. Gente, alguém avisa esse moço que isso não é coisa que se escreva numa camiseta. Infelizmente, não consegui tirar uma foto - mas pelo menos deu pra usar todo meu estoque de piadas prontas ("Será que ele deixa eu fotografar o pinto dele?!").


Intervalo: "Tô com fome". Caipiras Precavidos que somos, tiramos da mala uma lata de Pringles e seis sanduíches de salame. Nada como uma boa farofada pra aquietar os estômagos e divertir os presentes. 

Recomeçado o jogo, eis que eu noto uma figura curiosa em meio aos torcedores. Uma freira baixinha, empolgada com o jogo e japonesa. Alguém já viu uma freira japonesa? Eu nunca tinha visto, fiquei chocada. Mas meu choque se transformou em frustração quando eu a vi embarcando pra Santa Cruz de la Sierra e concluí o óbvio: ela não era japonesa, era boliviana. Uma farsante, assim como a Tapioca (nossa japonega paraguaia).


Já no avião, descobri que o iTunes me sacaneou e só colocou 24 das minhas 1200 músicas no meu iPod. Mas quem liga pra isso quando você tem 18 estações de rádio no avião? É... não, não é exatamente consolador. De qualquer modo, as rádios de música japonesa, chinesa, coreana e indiana renderam umas boas risadas.


Infinitas horas depois, estávamos em Frankfurt, correndo pra não perder a conexão. Gente, que tipo de arquiteto projeta um aeroporto em que, pra ir de um terminal a outro, você tem que descer SEIS lances de escada pra, logo em seguida, ter que subir tudo de novo? É, bem que dizem que alemão gosta de complicar... Mas eles são simpáticos, reconheço - muito mais do que eu esperava. A comissária até me ensinou a pedir suco de maçã em alemão, e escreveu no meu caderninho pra eu não esquecer: apfelsaft. E ensinou 'desculpa', também: entschuldigung (14 letras, sendo 10 consoantes, pronunciadas em décimos de segundo).


Apesar da correria, perdemos a conexão. Pudera: foi a primeira vez na minha vida em que vi um voo partir antes da hora prevista. Isso mesmo: chegamos ao portão de embarque às 14h45 e o voo das 14h50 já tinha decolado. E essa foi só a primeira peça que a Lufthansa nos pregou...

Um comentário:

Meg / Bombs disse...

Choquei mt com esse voo adiantado! E adorei a japonesa paraguaia assistindo futebol. Só pelo lance do futebol eu já imagino ela como um freira paraguaia tbm.
Vc colocou o Pringles dentro do lanche pra provar q ficava bom com salame!? *-*