terça-feira, 23 de novembro de 2010

Sobre a (des)ilusão das amêndoas

Farinha láctea só fui experimentar lá pelos 15 anos, depois de muito ouvir reminiscências infantis alheias. E qual não foi meu choque ao provar a primeira colherada e dizer, quase automaticamente: "Hm, tem gosto de infância". E tem mesmo. Uma infância que não me pertence, mas enfim, infância.
Entre as comidas que me lembram minha própria infância, constam coisas não muito comuns: tortilla (do vovô), mingau de maisena (da mamãe), bolinho de espinafre e fígado acebolado (da AABB. Sim, eu comia isso na escolinha. E até hoje adoro.)... D'além-mar, lembro de virem as amêndoas confeitadas e os turrones. Hoje ainda trazemos turrones El Almendro (além de muito Milka, Lindt, Toblerone e conhaque), mas as amêndoas eu não como há muito tempo - só vezenquando, quando vêm em alguma lembrancinha. Lembro que vinham dentro de uma lata média, e eram lindas, coloridas, com aquele cheiro convidativo de açúcar. E, claro, aquele sabor doce que ia se desfazendo lentamente na boca... pra ir dando lugar a um desfecho desagradável. Eu, então, tirava da boca uma coisa meio oval, meio pontuda, feia, marrom e de gosto ruim. Naquele tempo, eu me perguntava por que é que não faziam uma amêndoa confeitada sem amêndoa. Por que, afinal, estragar algo tão gostoso?



Lembro da doçura (mais idealizada que real) sabendo que isto aqui, na minha boca, é muito menos saboroso, e mesmo assim mastigo com força, até com certa vontade. Talvez porque eu ache que é o que me restou, talvez porque... sei lá. E às vezes, com o gosto ainda na boca, acho que não vale a pena e anoto mentalmente: "Evitar". Mas aí eu lembro (ou sinto) a sedução do cheiro açucarado... e lá vou eu de novo. E me pego dizendo pra mim mesma que, afinal, eu não tenho por que esperar mais que isso. A vida não é feita só de confeitos coloridos. E volta a pergunta da infância: por que não?

2 comentários:

Anônimo disse...

Também comi muito mingau de maizena quando pequena, e ainda adoro. Amêndoas confeitadas, nunca comi, creio, mas lembro de uma situação semelhante, quando um dia vi um bombom no armário e fui comer e tinha licor de cereja dentro. E foi horrível, até hoje tenho preconceito contra chocolates recheados de licor (dependendo do licor, eu como).

Mas essa de se seduzir pelo cheiro doce, e saber que no fim não será assim tão doce... Não é só amêndoas, né? =P

=*

Meg / Bombs disse...

A vida é feita de escolhas. Você come se quiser, e tudo bem querer. Mas não tá tudo bem aceitar que isso é o melhor que você pode esperar... faça como eu, espere menos e seja melhor recompensada =D

"... A gente pode dormir numa cama mais ou menos, comer um feijão mais ou menos, ter um transporte mais ou menos, e até ser obrigado a acreditar mais ou menos no futuro.

A gente pode olhar em volta e sentir que tudo está mais ou menos.

Tudo bem, o que a gente não pode mesmo, nunca, de jeito nenhum, é amar mais ou menos, é sonhar mais ou menos, é ser amigo mais ou menos, é namorar mais ou menos, é ter fé mais ou menos, é acreditar mais ou menos.

Senão, a gente corre o risco de se tornar uma pessoa mais ou menos, e isso é a pior coisa que pode acontecer a alguém.

Sejamos felizes por inteiro!"

ok, irônico vindo de mim. bla bla bla, como sempre